Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘tamoxifeno’

National Surgical Breast and Bowel Protocol B-20

Tamoxifen and chemotherapy for lymph node-negative, estrogen receptor-positive breast cancer.

  • Delineamento: ensaio clínico randomizado
  • Número de pacientes: 2306.
  • Critérios de inclusão: câncer de mama operado, linfonod negativos, RE positivos.
  • Desenho: após randomização, os pacientes eram tratadas em dois braços:
    • tamoxifeno somente.
    • quimioterapia com CMF + tamoxifeno.
    • quimioterapia com MF + tamoxifeno.

O objetivo é determinar se há benefício em adicionar quimioterapia nas pacientes com linfonodos negativos que recebem tamoxifeno.

  • Seguimento médio: 5 anos.
  • Resultados:
    • Benefício em sobrevida livre de doença (CMFT 89% vs. T 85%, P=0,001; MFT 90% vs. T 85%, P=0,01)
    • Benefício em sobrevida (CMFT 96% vs. 94% T, P=0,03, MFT 97% vs. T 94%, P= 0,05)
    • Diminuição do risco da recidiva local após cirurgia conservadora e recidiva distante.
  • Conclusão: as pacientes que preeenchem cirtérios, independente de idade, tamanho do tumor, linfonodos e receptores estrogênicos devem receber quimioterapia.

 

Anúncios

Read Full Post »

National Surgical Adjuvant Breast and Bowel Project – B14

A randomized clinical trial evaluating tamoxifen in the treatment of patients with node-negativo breast cancer who have estrogen-receptor positive tumors.

  • Delineamento: ensaio clínico randomizado, duplo cego, controlado por placebo.
  • Número de pacientes: 2644.
  • Critérios de Inclusão: câncer de mama, linfonodo negativo, RE positivo (>=10fmol).
  • Desenho: após randomização, as pacientes eram tratadas em dois braços:
    • Tamoxifeno
    • Placebo

O objetivo é determinar se há benefício no uso de tamoxifeno nas pacientes com tumores de mama RE+, sem linfonodos comprometidos.

  • Seguimento médio: 4 anos.
  • Resultados:
    • Sem benefício em sobrevida (92% placebo vs. 93% tamoxifeno, P=0,3)
    • Aumento de sobrevida livre de doença (83% vs. 77%, P<0,00001)
    • Mais efetivo nas maiores de 50 anos.
  • Conclusão: a adição de T não afeta a sobrevida mas aumenta o intervalo livre de doença.

Read Full Post »